2020/10/07

Apocalipse 16 — Contexto Histórico Cultural

  Apocalipse 16 — Contexto Histórico Cultural



16:2-11

As primeiras quatro taças da ira

Como as pragas da trombeta, a imagem para a maioria desses julgamentos é especialmente emprestada dos julgamentos sobre o Egito no livro de Êxodo do Antigo Testamento, lembrando aos ouvintes de João que eles, como o Israel da antiguidade, estavam protegidos desses julgamentos que resultariam na capitulação de seus opressores e sua própria libertação.

 

16:2. As feridas foram a sexta praga em Êxodo 9:10.

 

16:3. Esta praga foi a primeira em Êxodo 7:20 (a segunda praga na lista em Apocalipse 8:8).

 

16:4. Este julgamento também estende a primeira praga (Êxodo 7:20; cf. comentário sobre a terceira praga em Apocalipse 8:10).

 

16:5. Os oprimidos frequentemente clamavam a Deus para justificá-los; e quando justificados, eles louvavam a Deus por sua justiça (frequentemente em salmos; a linguagem também era usada para sua misericórdia, por exemplo, Tobias 3:2). No Velho Testamento, Deus frequentemente permitia que as pessoas destruíssem a si mesmas (os ímpios caíam em sua própria armadilha) e, às vezes, punia-os de maneiras obviamente relacionadas ao seu crime (ver comentário em 16:6-7 abaixo). O Judaísmo desenvolveu esse tema, enfatizando a adequação de punições específicas contra os ímpios. O povo judeu acreditava que os anjos tinham responsabilidade sobre diferentes elementos da natureza, inclusive sobre os mares (ver comentário em Apocalipse 7:1).

 

16:6-7. A tradição judaica primitiva declarou que Deus transformou a água do Egito em sangue para recompensá-los por derramar o sangue dos filhos de Israel (Sabedoria de Salomão 11:5-7). (Sobre os ímpios serem “dignos” de punição, compare a Sabedoria de Salomão 16:1, 9; 17:4; 19:4; cf. Josefo, Guerra Judaica 6.3.5, 216.) Esta observação desenvolve um tema genuíno em Êxodo: em resposta ao Faraó afogando os bebês de Israel no Nilo, Deus mais tarde transformou o Nilo em sangue, golpeou o primogênito do Egito e afogou o exército de Faraó. A imagem de beber sangue às vezes era usada metaforicamente para derrama-lo, de modo que a justiça do julgamento seria aparente até mesmo para os poucos ouvintes não familiarizados com a história do êxodo (alguns convertidos gentios recentes). O altar fala como uma testemunha das vidas dos justos sacrificados nele pelo martírio (ver comentário em 6:9).

 

16:8-9. O Antigo Testamento menciona ser atingido pelo calor como um sofrimento comum dos trabalhadores do campo e errantes no deserto (por exemplo, Sl 121:6; cf. Êx 13:21); embora não seja uma das pragas do Egito, contrasta com a seguinte praga das trevas. Sobre impenitência, veja o comentário em 9:21; o propósito dos julgamentos, até a destruição final, era assegurar o arrependimento (Amós 4:6-11).

 

16:10-11. A escuridão foi a nona praga (Êx 10:22; a quarta praga em Ap 8:12); as trevas no Egito podiam ser “sentidas” (Êx 10:21).

 

16:12-21

As taças finais da ira

16:12. Todo leitor informado no Império Romano, especialmente em lugares como a Ásia Menor e a Síria-Palestina perto da fronteira parta, entenderia os “reis do Oriente” como os partos; o rio Eufrates era a fronteira entre os impérios romano e parta (embora alguns estados fronteiriços como a Armênia continuassem mudando de mãos); cf. 9:14. Rios grandes e cheios podem atrasar a travessia dos exércitos até que pontes ou jangadas sejam construídas, mas Deus cuida para que esse exército não encontre atrasos. (A mesma imagem de dificuldade em cruzar rios importantes está implícita no novo êxodo da separação do Eufrates em 4 Esdras 13:43-47, mas o Apocalipse usa a imagem para um exército invasor [um uso natural], não para cativeiro e restauração) Alguns riachos secaram durante algumas estações no Oriente Próximo, mas o Eufrates não o faria naturalmente; Deus, entretanto, poderia secar rios no julgamento (Nah 1:4).

 

16:13-14. O escritor de 2 Baruque menciona a liberação de demônios para causar estragos no período final antes do fim. As rãs eram símbolos negativos (Ovídio, Apuleio, Artemidoro); um antigo escritor (Plutarco) até sugeriu ironicamente que Nero seria reencarnado como um sapo. Nesse texto, as rãs podem aludir vagamente a uma praga no Egito que João não teve espaço para incluir até aquele ponto (segunda praga - Êx 8:5-7); aqui o dragão é compelido a agir como agente de Deus para trazer o julgamento. Em textos judaicos como o Pergaminho da Guerra Qumran, o exército de Belial (o diabo), consistindo das nações e do Israel apóstata, se reunia para ser destruído por Deus e seu remanescente fiel (cf. 4 Esdras). Reunir as nações para julgamento é a linguagem de julgamento dos profetas do Antigo Testamento (Joel 3:2, 11; Sof 3:8; cf. Is 43:9), como é o “dia do Senhor” (por exemplo, Amós 5 :18-20).

 

16:15. Os guardas deveriam ficar acordados em seus postos à noite. Era comum as pessoas dormirem nuas à noite na estação quente, mas a maioria dos judeus ficaria horrorizada ao ser vista nua em público; talvez a imagem seja de um chefe de família nu perseguindo um ladrão. As raízes finais da imagem da nudez vergonhosa são do Antigo Testamento, talvez para o vergonhoso despojamento da Babilônia cativa (Is 47:3), um bêbado (Hab 2:16), ou o povo adúltero de Deus (Os 2:3; Ez 16:37; cf. Ap 3:18); sobre a imagem do ladrão, veja o comentário em Apocalipse 3:3.

 

16:16. O Senhor havia prometido reunir as nações (Joel 3:2, 11; Sof 3:8; Zc 12:3; 14:2; cf. Is 13:4; Jr 50:29, contra Babilônia); A tradição judaica sobre o tempo do fim continuou esta imagem (1 Enoque, Manuscritos do Mar Morto). As nações e o dragão que os liderou podem ter a intenção de se reunir para outros propósitos, mas Deus os estava reunindo para sua própria destruição final.

 

O local da batalha futura no Velho Testamento foi o vale de Josafá (Joel 3:2, 12, 14), provavelmente a planície estratégica de Megido no vale de Jezreel e Esdraelon. Era o corredor entre a planície costeira facilmente percorrida e a estrada para Damasco em Aram, e, portanto, um ponto de passagem essencial para os exércitos que evitavam as montanhas difíceis (Juízes 5:19; 6:33; 2 Crônicas 35:22; Zc 12:11 ; Faraó Thutmose III em 1483 AC, etc.). Megiddo era uma planície, não uma montanha (“Har-Magedon”, que a KJV leu como “Armagedom”, é literalmente “montanha de Megiddo”). No entanto, transformar o local (para aqueles que conheciam um pouco de hebraico) não seria incongruente com a geografia apocalíptica de João (13:1; 17:1, 3, 9). O referente exato de João é debatido, mas um site relacionado ao vale de Megido continua a ser a visão mais comum e alguns podem reconhecer que este site permitiria aos exércitos do Oriente enfrentar Roma na Palestina.

 

16:17-18. Esta linguagem sugere a preparação para uma teofania, uma manifestação da glória de Deus, como no Sinai (cf. Ex 19:16; Ap 4:5); o poderoso terremoto pode sugerir o fim dos tempos (ver 6:12; 11:13).

 

16:19. Os oprimidos clamariam a Deus para se lembrar dos atos de seus opressores contra eles (Sl 137:7). Sobre o copo, veja o comentário em Apocalipse 14:9-10.

 

16:20. Este tipo de linguagem normalmente se refere ao “fim do mundo” (ver comentário em 6:14) - vasta devastação cósmica.

 

16:21. Este granizo é muito mais severo do que em Êxodo 9:24; iria esmagar tudo em seu caminho, sem deixar sobreviventes; esta linguagem também deve ser relegada para o fim dos tempos. A falta de arrependimento das pessoas indicava o quanto elas mereciam o julgamento para começar (Êx 7:22); veja o comentário sobre Apocalipse 16:9.



Índice: Apocalipse 1 Apocalipse 2 Apocalipse 3 Apocalipse 4 Apocalipse 5 Apocalipse 6 Apocalipse 7 Apocalipse 8 Apocalipse 9 Apocalipse 10 Apocalipse 11 Apocalipse 12 Apocalipse 13 Apocalipse 14 Apocalipse 15 Apocalipse 16 Apocalipse 17 Apocalipse 18 Apocalipse 19 Apocalipse 20 Apocalipse 21 Apocalipse 22

Nenhum comentário:

Postar um comentário