2016/10/05

Levítico 19 — Explicação das Escrituras

Levítico 19 — Explicação das Escrituras

Levítico 19 — Explicação das Escrituras



Levítico 19

19.1-34 Essas leis eram cerimoniais e éticas; as últimas são baseadas nos Dez Mandamentos.
19.2 A santidade e a perfeição de Deus formam a base para se exigir a justiça da parte de todos aqueles que Lhe pertencem. Jesus disse que deveríamos ser perfeitos, como o é nosso Pai Celestial, Mt 5.48.
19.4 Ídolos. Há várias palavras hebraicas que descrevem os ídolos; aqui temos 'elilim, lit. ”coisas de nada”, “vaidade”. Vem de uma raiz que significa “evaporar-se”. A essência do ídolo realmente é nada, 1 Co 8.4.
19.9,10 No livro de Rute temos um belo exemplo do cumprimento desta lei, Rt 2.8-16. Ao pobre e ao estrangeiro. Duas classes de pessoas que, juntamente com os órfão não possuíam força carnal para defender seus direitos, sendo desprezados pelos pagãos por não poderem se defender com o dinheiro, nem com um “Vingador”, um parente poderoso que fosse solidário à sua causa. São justamente aqueles que, sendo desprovidos de recursos humanos, são os melhores recipientes do: socorra divino, 2 Co 12.9-10.
19.12 A idéia, aqui, é que ninguém deve ser rápido demais para fazer votos em nome de Deus, e muito menos usar o nome de Deus em juramentos falsos, com o intuito de fazer parecer puros e verídicos os atos mais escabrosos, dando a força da verdade à própria mentira, Êx 20.7n.
19.13 Trata-se de jornaleiros que necessitavam do seu salário dia após dia para o sustento de sua família, Dt 24.14; Jr 22.13; Ml 3.5.
19.16 Mexeriqueiro. Heb rãkhfl, lit. “mercador”. Um tipo de “camelô” que leva mercadorias de pouco valor pelas ruas afora; no caso, são escândalos e mentiras. Cf. 1 Sm 22.9-18; Jr 6.28; 9.4; Ez 22.9.
19.18 A reverência a Jeová não somente produz a santidade no sentido de evitar a contaminação (heb tãme), mas também a prática do amor aos nossos semelhantes. Jesus desenvolveu esta verdade, ao exigir que amássemos aos nossos inimigos, Mt 5.4344. O amor é o cumprimento da Lei, Mt 22.40.
19.20 moça escrava tinha direitos, mas suas circunstâncias lhe tolhiam sua possibilidade de exercê-los. Era o homem que tinha de procurar a expiação pela sua transgressão, e a moça não podia ser morta; o motivo desta clemência legal é que a escrava, sendo considerada a propriedade particular de outro homem, por ser sua concubina (Êx 21.711), não podia morrer sem causar uma perda injusta ao seu senhor ou dono que a comprara.
19.23 Nos primeiros três anos, as árvores, recém-plantadas raramente davam frutos bem desenvolvidos. Em hebraico eram chamados “frutos incircuncisos”. A colheita do quarto ano pertencia a Jeová, bem como as primícias dos anos seguintes, sendo que Ele era reconhecido como o legítimo proprietário dos bens da terra, 24.
19.26 Não agourareis nem adivinhareis. Os que praticavam a magia, ou que empregavam certas palavras chamadas “mágicas” com o fim de obter o auxílio dos espíritos para produzirem efeitos sobrenaturais nas criaturas, eram condenados. Nem sempre se distingue entre o agoureiro e o adivinhador, mas todas as suas práticas, juntamente com a astrologia, o horóscopo, o espiritismo, a macumba, as sortes e as adivinhações são terminantemente proibidas, na Palavra de Deus, v. 31; 20.6, 27; Dt 18,10.
19.27,28 Os pagãos cortavam os cabelos da cabeça ou da barba de certas maneiras, para honrar seus ídolos ou para os ritos fúnebres pagãos, Dt 14.1. Cortar o corpo era praticado para mostrar arrependimento extremo ou desespero. Condenam-se aqui estas práticas entre o povo de Deus. Estas proibições eram para guardar o povo de Israel de seguir as práticas supersticiosas e idólatras dos pagãos que viviam ao sem redor.
19.31 Necromantes. Pessoas que se comunicavam com os mortos, ou seja, médiuns, 20.6. Aqui há uma forte condenação das práticas espíritas existentes no dia de hoje. A Bíblia condena taxativamente a invocação dos mortos.
19.33 Oprimireis. Heb yãnãh, “irar-se contra”, “ser violento contra”, “suprimir”, “maltratar”. Exemplos em Êx 22.21; Ez 22.7, 29.

Nenhum comentário:

Postar um comentário