2016/07/30

Estudo sobre Levítico 16

Estudo sobre Levítico 16

Estudo sobre Levítico 16




Levítico 16

O Dia da Expiação (16.1-34)
Esse era o dia mais importante no calendário religioso judaico, aquele dia do ano em que o sumo sacerdote entrava no Lugar Santíssimo com o sangue do sacrifício. Visto que essa era a ocasião em que o ritual de purificação era realizado em favor de todo o povo, os detalhes desse ritual são apresentados aqui, no final da seção acerca da pureza e da impureza (caps. 11—16), e não no cap. 23 em que todas as festas anuais são alistadas. Atribui-se tamanha importância a esse dia no judaísmo que ele é designado simplesmente como ”o Jejum” em At 27.9. Tradicionalmente, o período entre o dia do ano novo, no primeiro dia do sétimo mês, e o Dia da Expiação, no décimo dia do mesmo mês, têm sido observado como um tempo de auto-exame na expectativa do grande dia e em preparação para ele. O autor da carta aos Hebreus baseia-se em muitos aspectos no Dia da Expiação na sua demonstração da superioridade do sacrifício do nosso Senhor sobre todo o sistema sacrificial do AT (v. especialmente Hb 9). v. 1. A morte de Nadabe e Abiú (10.1 ss) havia sido uma ilustração vívida dos perigos de se aproximar da presença de Deus de forma errada. Milgrom acha que os v. 1-28 referem-se em primeiro lugar à purificação do santuário após o pecado dos filhos de Arão. v. 2. A entrada no Lugar Santíssimo era um privilégio restrito somente ao sumo sacerdote, e isso só em ocasiões especiais, na nuvem: de incenso (v. 13). v. 3. oferta pelo pecado'. cf. v. 6,11. holocausto', cf. v. 24. v. 4. Toda a vestimenta sacerdotal tinha de ser usada nessa ocasião (cf. Êx 28.39,42,43). v. 8. Há várias explicações possíveis para o bode para Azazel (ou bode emissário; v. NBD, p. 1.077). Na VA, ”bode expiatório” remonta via Tyndale à LXX e à Vulgata. No judaísmo tardio, Azazel figura como um demônio que ensinava artifícios tortuosos aos homens, mas esse provavelmente não é o seu sentido aqui (alguns estudiosos, no entanto, estão inclinados a pensar que “para Azazel” do TM deve ter uma conotação pessoal — mesmo que a ”pessoa” fosse um demônio — se está em paralelo à expressão para o Senhor). A expressão “para o precipício” da NEB tem dois aspectos positivos: (1) há uma palavra árabe de pronúncia semelhante que significa “lugar árido” (v. JSSI, 1956, p. 97-105); (2) em tempos posteriores, era costume empurrar o bode vivo num despenhadeiro a 5 ou 6 quilômetros de Jemsalém. Na ausência de uma explicação totalmente convincente, deveríamos dizer que há apoio filológico para a tradição do bode expiatório, como na VA, ARA e ARC (nota de rodapé da NVI). v. 13. Protegido da visão da majestade divina pela fumaça do incenso, o sumo sacerdote poderia dar prosseguimento àquela parte do ritual que ocorria no santuário interno (v. 14). São pronunciadas novamente as palavras de advertência a fim de que não morra (cf. v. 2); contraste com Hb 4.16. v. 14. O ritual de propiciação a favor dos sacerdotes era concluído ao se aspergir sangue na tampa da arca e também no chão em frente da tampa. v. 15. Agora que ofereceu o sacrifício pelos seus próprios pecados, o sumo sacerdote pode agir em favor do povo ao levar o sangue da oferta pelo pecado do povo para trás do véu. O nosso Senhor foi capaz de tratar com o pecado humano direta e decisivamente em virtude do simples e grande fato de que ele não tinha necessidade de fazer propiciação pelos seus próprios pecados (Hb 7.27). v. 18. A seguir, o altar que está perante o Senhor é objeto da ministração do sumo sacerdote. Que esse é o altar do incenso, e não o altar dos holocaustos, é sugerido por Êx 30.10 (cf. também Lv 4.7, 18); a maioria dos eruditos, no entanto, entende que é uma referência ao altar dos holocaustos, como no v. 12. v. 20ss. A ideia de remover os pecados de um povo ao transferi-los para um animal vivo é muito comum em textos antigos; cf. também 14.7. v. 21. as duas mãos\ não somente uma mão como em 4.4,24,33. confessará', a confissão só é mencionada raramente em conjunção com a apresentação de sacrifícios de animais, mas cf. 5.5 e Nm 5.7,8. v. 22. lugar solitário', é um lugar sem volta (cf. SL 103.12). v. 24. Os holocaustos eram reservados até que o ritual do santuário estivesse completo (cf. v. 3,5). v. 25. Trajado com as vestimentas normais, o sumo sacerdote não somente apresenta as ofertas como no v. 24, mas também queima a gordura da oferta pelo pecado no altar de acordo com as regras estipuladas em 4.8ss. Não fica claro aqui qual oferta pelo pecado está em vista — a do sumo sacerdote (v. 3,6,11-14) ou a do povo (v. 5,9,15). Noth prefere a primeira opção.
v. 27. As carcaças são tratadas de acordo com os princípios estabelecidos em 6.30 (cf. 4.11, 12,21). v. 29. vocês se humilharão refere-se primeiramente ao jejum (v. nota de rodapé da NVI); a proibição aplicava-se a todos que estavam dentro dos limites de Israel, de forma que o estrangeiro residente, embora não estivesse envolvido no ritual, devia observar o jejum. v. 31. Esse dia tinha de ser observado como um sábado com relação ao trabalho; por isso sábado de descanso, v. 34. uma vez por ano está em forte contraste com as numerosas ofertas apresentadas durante todo o ano, e mesmo assim esse ritual anual se toma uma repetição ineficaz à luz do Calvário (v. Hb 9.25,26).

Índice: Levítico 1 Levítico 2 Levítico 3 Levítico 4 Levítico 5 Levítico 6 Levítico 7 Levítico 8 Levítico 9 Levítico 10 Levítico 11 Levítico 12 Levítico 13 Levítico 14 Levítico 15 Levítico 16 Levítico 17 Levítico 18 Levítico 19 Levítico 20 Levítico 21 Levítico 22 Levítico 23 Levítico 24 Levítico 25 Levítico 26 Levítico 27

Nenhum comentário:

Postar um comentário