Interpretação de 2 Crônicas 36



Interpretação de 2 Crônicas 36

Interpretação de 2 Crônicas 36

2 Crônicas 36

17) Jeoacaz, Jeoaquim, Joaquim e Zedequias (608-586 A.C.). 36:1-16.
Em marcante contraste à piedade e força de caráter de seu antepassado, estes últimos reis de Judá, três filhos e um neto de Josias, exibiram uma incapacidade moral que levou o que restava do reino de Israel ao seu fim inglório. A destituição de Jeoacaz assinalou o fim do governo independente em Judá (36:1-4); o regime de Jeoaquim viu o estabelecimento do domínio babilônico (vs. 5-8); Joaquim, o filho de Jeoaquim, colheu o fruto da revolta de seu pai (vs. 9, 10); e Zedequias causou incautamente a revolta final devido à sua infidelidade para com Nabucodonosor, seu soberano, que assim veio a ser o instrumento divino para a destruição de um povo infiel (vs. 11-16). Estes parágrafos são um paralelo abreviado de II Reis 23:31 – 24:20.
2. Tinha Jeoacaz vinte e três anos, sendo mais jovem que Jeoaquim, seu sucessor (v. 5). Mas embora tenha ele feito “o que era mau” (II Reis 23:32), o povo da terra, os cidadãos livres (II Cr. 36:1), aparentemente tinham mais esperanças nele do que em seu irmão mais velho. Reinou três meses, ou até que Neco teve oportunidade de substituí-lo (cons. 35:20, 21).
3. Neco impôs uma indenização de cem talentos de prata e um de ouro (cons. 25:6; 27:5), cerca de US$ 220.000 mais US$ 35.000 (cons. I Cr. 19:6, observação).
4. E lhe mudou o nome de Eliaquim, Deus levanta, para Jeoaquim, Jeová (Yahweh) levanta, demonstrando a boa vontade que Neco tinha em tolerar a religião dos judeus. De modo significativo este controle que o rei tinha sobre o nome do rei era prova do controle que tinha sobre sua pessoa (veja comentário sobre 6:6). Ao irmão Jeoacaz tomou Nem, e o levou para o Egito, onde veio a falecer (II Reis 23 : 34; cons. Jr. 22:10).
5. Jeoaquim . . , reinou onze anos, 608-598 A.C., e fez ele o que era mau. Ele impôs à terra tributo que devia ser pago a Faraó (II Reis 23:35), enquanto ele mesmo vivia no luxo (Jr. 22:14, 15); perverteu a justiça e oprimiu os pobres (Jr. 22:13, 17); e perseguiu os profetas que o reprovaram (cons. II Cr. 35:8, 16, abaixo; Jr. 26:21-24; 32:36).
6. Subiu, pois, contra ele Nabucodonosor (mais corretamente, Nabucodonosor, II Reis 24:1, texto hebraico). Na primavera de 605, os babilônios obtiveram uma vitória decisiva contra Neco em Carquemis (veja comentário sobre 35:20; Jr. 46:2). Os egípcios, como resultado, foram expulsos até suas próprias fronteiras; e a Palestina ficou nas mãos de Nabucodonosor (II Reis 24:7). O conquistador amarrou Jeoaquim com duas cadeias de bronze, para o levar prisioneiro, embora a ameaça pareça ter sido suficiente, sem que houvesse necessidade de levá-lo fisicamente a Babilônia.
7. Também alguns dos utensílios do templo levou Nabucodonosor para a Babilônia, e também um primeiro grupo de prisioneiros selecionados como reféns, inclusive Daniel (cons. Dn. 1:1-3). Com isto começou o exílio babilônico que durou setenta anos, 605-536 A.C. (Jr. 29:10). A autenticidade desta campanha na Palestina em 605, antigamente desacreditada por críticos incrédulos do V.T., foi extraordinariamente confirmada pela publicação, em 1956, de duas tabuinhas babilônicas do reinado de Nabucodonosor. Nelas Nabucodonosor declara que conquistou “toda a terra dos hati” (o Crescente Fértil ocidental incluindo a Palestina) no verão de 605 e que “cobrou pesado tributo dos hati para a Babilônia” (cons. J.B. Payne, “The Uneasy Conscience of Modern Liberal Exegesis”, Bulletin of the Evangelical Theological Society, 1:1, Inverno de 1958, 14-18).
8. Quanto aos mais atos de Jeoaquim. Depois de servir Nabucodonosor por três anos (até 602), ele se rebelou (II Reis 24:1, 2), mas morreu antes que recebesse todo o seu castigo.
9. Tinha Joaquim dezoito anos de acordo com outros manuscritos, e não “oito anos” (cons. II Reis 24:8; e reinou três meses e dez dias, de dezembro de 598 até 16 de março de 597, de acordo com os novos textos de Nabucodonosor (v. 7, observação).
10. Mandou o rei Nabucodonosor levá-lo a Babilônia em 597 A.C., junto com um segundo grupo de deportados, que incluíram Ezequiel e 10.000 dos mais importantes elementos da sociedade judia (cons. II Reis 24:10-16). E estabeleceu a Zedequias, seu irmão (tio, II Reis 24: 17), rei.
12. Não se humilhou perante o profeta Jeremias. A princípio Zedequias ignorou as mensagens de Jeremias (Jr. 34:1-10), depois o procurou (Jr. 21) e, finalmente, rogou que lhe ajudasse (Jr. 37), mas nunca se submeteu às suas exigências. Zedequias foi um homem fraco e maleável aos esquemas dos nobres manhosos que file foram deixados (Jr. 38:5).
13. Rebelou-se . . . contra . . . Nabucodonosor, diante da instigação de Hofra (588-567A.C.), Faraó da Vigésima Sexta Dinastia do Egito (cons. Ez. 17:15; Jr. 37:5). Que o tinha ajuramentado. Zedequias fora feito vassalo de Nabucodonosor por meio de juramento; assina sua deslealdade anulou-o (Ez. 17:13-19).
C. O Exílio. 36:17-23.
As Crônicas São essencialmente um livro de encorajamento. Os capítulos sobre os monarcas de Judá registram grandes triunfos, vindicações da fé dos homem em Deus, mesmo no meio da geral deterioração da nação. Então, tendo demonstrado que Deus pode expulsar o Seu povo por causa de sua desobediência e que realmente o fará (36:17-21, fazendo um pequeno paralelo com II Reis 25), o cronista prossegue insinuando que das ruínas se levantará uma terra rejuvenescida, um Templo reconsagrado descrevendo a imutável salvação de Deus e um povo aperfeiçoado e portanto restaurado (II Cr. 36:22, 23, fazendo paralelo com Ed. 1:1-3a). Pois o Exílio não foi uma derrota permanente, mas, essencialmente, um triunfo da providência divina. A história é um processo, não de desintegração, mas de peneiramento e seleção. Quando o refugo é removido, surge o remanescente fiel (cons. comentário sobre 10:9; 11:3). “Que suba, e o Senhor seu Deus seja com ele!” (II Cr. 36:23).
17. O Senhor a todos os deu nas . . . mãos dos caldeus. Veja II Reis 25:1-21 quanto aos detalhes da queda e saque de Jerusalém, e quanto à terceira e grande deportação em 586 A.C. (cons. II Cr. 36:7, 10, observações).
20. Os que escaparam da espada. II Crônicas omite, como irrelevante para o destino final de Judá, qualquer referência ao reajuntamento de Gedalias e a fuga do remanescente para o Egito (II Reis 25:22-27); à pequena e quarta deportação de 582 A.C. (Jr. 52:30); e aos “mais pobres da terra” que ficaram espalhados pela Palestina (II Reis 25:12). A arqueologia tem comprovado o total despovoamento de Judá nesse período. A esses levou ele para Babilônia, onde se tornaram seus servos. Depois de certo desânimo inicial (Sl. 137) e trabalho escravo (Is. 14:2, 3), alguns judeus alcançaram certo status e favor (cons. II Reis 25:27-30). Os que eram mundanos tornaram-se indiferentes e se desviaram (cons. Ez. 33:31, 32), mas os piedosos amadureceram espiritualmente (cons. Dn. 1:8; Et. 4:14-16; Ne. 1: 4).
21. Para que se cumprisse a palavra do Senhor, até que a terra se agradasse dos seus sábados . . . repousou . . . setenta anos (cons. v. 7, observação), presumivelmente compensando um meio milênio de anos sabáticos negligenciados (Gustav Oehler, Theology of the Old Testament, pág. 343; cons. Lv. 25:1-7; 26:34).
22. Em 538 A.C. Ciro, rei da Pérsia venceu Nabonidus e seu filho Belsazar, os últimos monarcas babilônios nativos (Dn. 5). Sua política de conciliação e restauração religiosa para os exilados recebeu inteira confirmação arqueológica devido as inscrições do próprio Ciro. (Sobre a correspondência deste material com Ed. 1:1-3a, veja Introdução, Autoria).
23. O Senhor (Jeová) . . . me deu todos os reinos da terra. Tal linguagem diplomática (cons. 35:21, observação) nada significava para Ciro; suas palavras a uma audiência de babilônios foram: “Marduque, rei dos deuses (principal divindade da Babilônia, mas não da Pérsia!) ... designou(me) para governar sobre todas as terras”. Mas Cito foi realmente um instrumento da providência divina (Is. 44:28 - 45:5).

Interpretação de 2 Crônicas 36 Interpretação de 2 Crônicas 36 Reviewed by Biblioteca Bíblica on domingo, março 12, 2017 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.