Provérbios 7 — Análise Bíblica

Análise Bíblica de Provérbios 7






Provérbios 7

7:1-27 Mais advertências acerca do adultério 
Encontramos aqui o primeiro capítulo dedicado inteiramente à instrução contra o adultério. Trata-se, basicamente, de uma lição prática apresentada “não por meio de generalizações, mas de forma dramática” (TOT). As exortações que antecedem o ensino são mais numerosas (7:1-5) do que as de outras passagens. Além da admoestação habitual: Guarda as minhas palavras e conserva dentro de ti os meus mandamentos (7:1), o mestre ordena: Ata-os aos dedos, escreve-os na tábua do teu coração (7:3), uma injunção conhecida (cf. 3:3). De acordo com o mestre sábio, as instruções devem ser tratadas da mesma forma que a lei mosaica (cf. Dt 6:8). Em 7:4, o mestre recomenda ao discípulo: Dize à Sabedoria: Tu és minha irmã; e ao Entendimento chama teu parente. A relação próxima que o aprendiz deve ter com a sabedoria o guardará de se ligar à adúltera: Para te guardarem da mulher alheia, da estranha que lisonjeia com palavras (7:5). (A NVI se refere a essa mulher como leviana.) Depois dos comentários introdutórios, temos a lição propriamente dita (7:6-23). Uma vez que os sábios são observadores perspicazes das interações humanas, o autor começa com uma descrição daquilo que observou: Porque da janela da minha casa, por minhas grades, olhando eu, vi entre os simples, descobri entre os jovens um que era carecente de juízo (7:6-7). A descrição dos jovens é neutra. São rapazes simples, ingênuos e inexperientes. Aquele que chama a atenção do sábio, porém, é um jovem sem juízo. O motivo dessa caracterização se toma evidente logo em seguida. Observa os passos do rapaz. Primeiro, ele se separou do grupo e veio pela rua junto à esquina da mulher estranha (7:8). Segundo, caminha à tarde do dia, no crepúsculo, na escuridão da noite, nas trevas (7:9). O comentário de Kidner é apropriado: “Caminha para a tentação, na qual o espaço (7:8) e o tempo (7:9) se unem contra ele; e, enquanto ele anda a esmo, sua tentadora tem um objetivo definido” (TOT). Os versículos seguintes descrevem a adúltera. Eis que a mulher lhe sai ao encontro, com vestes de prostituta e astuta de coração (7:10). Trata-se de um confronto injusto no qual o rapaz carente de juízo (literalmente “desprovido de coração”) se depara com uma mulher “astuta de coração”. O rapaz sai perdendo. Depois de descrever a inconstância e o comportamento atrevido da mulher (7:11-12), o texto diz: Aproximou-se dele, e o beijou (7:13a). Os passos da sedutora são calculados com cuidado para enredar o jovem inexperiente. Em seguida, a sedutora profere suas palavras com o mais absoluto despudor (7:13): Sacrifícios pacíficos tinha eu de oferecer; paguei hoje os meus votos. Por isso, saí ao teu encontro, a buscar-te, e te achei (7:14-15).

Os comentaristas que a consideram uma mulher israelita associam os “sacrifícios pacíficos” aos sacrifícios descritos em Levítico 7:16-18 e observam em suas palavras uma “secularização sutil de sua religião” (TOT). Aqueles que a consideram uma estrangeira relacionam os sacrifícios e votos às suas obrigações religiosas pagãs e, mais especificamente, à prostituição que fazia parte dos cultos de fertilidade cananeus. Sejam quais forem suas origens, a mulher procura seduzir o jovem com promessas de luxúria:Já cobri de colchas a minha cama, de linho fino do Egito, de várias cores; já perfumei o meu leito com mirra, aloés e cinamomo (7:16-17). Desfere, então, seu golpe final (7:18), acompanhado da garantia de que seu marido não está em casa, saiu de viagem para longe e só retornará por volta da lua cheia (7:19-20). É interessante observar que o original hebraico traz “o homem”, enquanto a RA usa “meu marido”. Um ditado luganda (Uganda) ilustra bem esse aspecto da natureza humana. Quando alguém pergunta ao marido desconfiado quando pretende voltar, ele responde: “Quem viaja vê (o que acontecerá)”, ou seja, “Não posso dizer de imediato”. Ele não especifica quando voltará, a fim de manter sua esposa num estado de suspense para que ela não possa dizer, como a mulher nesta passagem: “Só por volta da lua cheia ele tomará”. Um provérbio amárico (Etiópia) mordaz reforça o argumento: Yalteretere temenetere (“Quem não é desconfiado é destruído”). O plano de seduzir o rapaz é bem-sucedido, pois, de acordo com o texto, ele num instante a segue (7:22). A descrição do rapaz é dramática: Como o boi que vai ao matadouro; como o cervo que corre para a rede, até que a flecha lhe atravesse o coração; como a ave que se apressa para o laço (7:22-23). Observe a última parte de 7:23: Sem saber que isto lhe custará a vida. Para entender o significado dessas palavras no contexto de Provérbios, precisamos apenas nos lembrar de 6:34-35. No AT, o adultério era um crime passível da pena de morte (Dt 22:22). O mestre sábio conclui com uma exortação dada anteriormente: Em nenhuma circunstância, seus ouvintes devem desviar-se para o caminho da mulher adúltera, pois a sua casa é caminho para a sepultura e desce para as câmaras da morte (7:27). Esta passagem (7:24-27) enfatiza que a decisão de obedecer não deve ser considerada levianamente. É uma questão de vida ou morte. Não há dúvida de que o jovem retratado na lição prática era desprovido de entendimento.


Índice: Provérbios 1 Provérbios 2 Provérbios 3 Provérbios 4 Provérbios 5 Provérbios 6 Provérbios 7 Provérbios 8 Provérbios 9 Provérbios 10 Provérbios 11 Provérbios 12 Provérbios 13 Provérbios 14 Provérbios 15 Provérbios 16 Provérbios 17 Provérbios 18 Provérbios 19 Provérbios 20 Provérbios 21 Provérbios 22 Provérbios 23 Provérbios 24 Provérbios 25 Provérbios 26 Provérbios 27 Provérbios 28 Provérbios 29 Provérbios 30 Provérbios 31