Explicação de Jeremias 52

Jeremias 52

O último capítulo de Jeremias é histórico, narrando a captura de Jerusalém e os cativos.

52:1–16 O relato dos dias finais de Zedequias é repetido nos versículos 1–11. A destruição de Jerusalém é repetida nos versículos 12–16.

52:17-23 Em seguida, é feito um inventário detalhado dos artigos do templo que foram apreendidos pelos babilônios e levados embora.

52:24–27 O capitão da guarda trouxe setenta e quatro homens de Jerusalém ao rei da Babilônia, que, por sua vez, os matou em Ribla.

52:28–34 Outros foram levados cativos em três deportações. No trigésimo sétimo ano de seu cativeiro, o rei Joaquim foi tirado da prisão pelo rei da Babilônia e tratado com bondade até o dia de sua morte. E assim, um livro profético repleto de julgamento e lágrimas termina com uma nota gentil.

Não devemos pensar que isso é meramente “história hebraica” pré-escrita como profecia em muitos lugares. É isso, com certeza. Mas o Livro de Jeremias é parte da Palavra de Deus, sempre novo, sempre relevante. Quase três séculos atrás, o comentarista inglês Matthew Henry resumiu as lições espirituais de Jeremias para nós:

E agora, sobre todo o assunto, comparando a profecia e a história deste livro juntas, podemos aprender, em geral, (1) que não é novidade que igrejas e pessoas altamente dignas se degenerem e se tornem muito corruptas. (2) Essa iniqüidade tende à ruína daqueles que a abrigam; e, se não for arrependido e abandonado, certamente terminará em sua ruína: (3) Que as profissões e privilégios externos não serão apenas uma desculpa para o pecado e uma isenção da ruína, mas serão um grande agravamento de ambos. . (4) Que nenhuma palavra de Deus cairá por terra, mas o evento responderá plenamente à previsão; e a incredulidade do homem não tornará as ameaças de Deus, mais do que suas promessas, sem efeito. A justiça e a verdade de Deus estão aqui escritas em caracteres sangrentos, para a convicção ou a confusão de todos aqueles que zombam de suas ameaças. Não se deixem enganar, Deus não se deixa escarnecer.
(Henry, “Jeremiah,” IV:711.)


Notas Adicionais:

52.1-3 Quase completamente idêntica a 2 Rs 24.18-26. Trata-se de um breve sumário e avaliação do reinado de Zedequias. Este capítula repete a história dos reis até 2 Rs 25.30. Foi um apêndice escrito não por Jeremias, mas para demonstrar que suas profecias foram cumpridas.

52.1 Hamutal: Assim sendo, Zedequias era irmão genuíno de Jeoacaz, e irmão de Jeoaquim por parte de pai (2 Rs 23.31, 36). Jeremias. Trata-se de outro Jeremias, cujos antepassados eram da Libna.

52.4 Décimo mês: Comp. com Zc 8.19 quanto ao jejum memorial. Tranqueiras: diferente da palavra em 6.6 e 32.24. Aqui são torres de batalha, uma espécie de bastião ou muro de cerco, uma torre em forma de talude. É traduzida também por “baluarte” (Ez 21.22).

52.6,7 Quarto mês: Em comemoração a essa data foi apontado um jejum (Zc 8.19). Fome: Descrita em Lm 2.19ss; 4.3ss; 5.10. Arrombado: Invadida à força. Foi aberta uma ”brecha” nos muros, permitindo a entrada dos babilônios, em Jerusalém. Porta... dois muros: Vd. nota em 39.4.

52.8 Lm 4.19ss pode referir-se a esse acontecimento. Assim sendo, um grupo de caldeus seguiu e outro ficou postado na planície. Comp. Ez 12.13.

52.11 Cárcere: A LXX diz “moinho” indicação de uma possível tradição que diz que Zedequias passou seus últimos dias moendo grão, à semelhança de Sansão.

52.12 Quinto mês: Vd. Zc 7.3 quanto à festa comemorativa.

52.15 Multidão: Também tem sido traduzido por “artífice”, em Pv 8.30. A diferença na forma escrita das suas palavras é mínima.

52.18 Panelas... pás: Eram usadas (Êx 27.3) no serviço do altar ou das ofertas queimadas. Ambos os utensílios eram feitos de bronze. Espevitadeiras: para tirar os morrões queimados das lâmpadas e candelabros (Êx 25.38; Nm 4.9). Bacias: lit. “vasos de lançar, isto é, de lançar (não aspergir) o sangue dos sacrifícios contra o lado do altar (Lv 1.5, 11; 3.2; etc.).

52.19 Copos... braseiros... bacias: em 1 Rs 7.50 aparecem como objetos feitos de ouro. Eram taças para a mesa dos pães da proposição (Êx 25.24-40).

52.20 Outras traduções incluem os doze bois de bronze que sustentavam o “mar”, embora tivessem sido removidos antes disso pelo rei Acaz (2 Rs 16.7). No fim do cativeiro, Ciro tirou esses utensílios dos templos idólatras de Nabucodonosor, numerou-os cuidadosamente e restituiu-os a Jerusalém (Ed 1.7-11).

52.25 Conselheiros: Uma classe privilegiada entre o povo (Et 1.14). Escrivão-mor: um oficial que registrava aqueles que tinham servido no exército.

52.28-30 As três deportações aqui alistadas coincidem coma rendição de Joaquim (597 a.C., 2 Rs 24.12-16), com a supressão da revolta de Zedequias (587 a.C.), e com a expedição vingativa contra o assassinato de Gedalias (582 a.C., 40.7-41.18; 2 Rs 25.2226).

52.31 Evil-Merodaque: “homem de Merodaque”. Ele sucedeu a Nabucodonosor e reinou durante dois anos (561-559 a.C.). Acredita-se que Joaquim era considerado rei legítimo pelos judeus no exílio. Libertou: lit., levantou ou exaltou a cabeça de Joaquim (Gn 40.13, 20; Sl 3.3). Pode ser traduzido por “libertou graciosamente” como nos vv. 31-34. A presença desse material prova que a edição desta porção foi feita depois de 560 a.C., que é o trigésimo sétimo ano. A restauração de Joaquim bem pode ter sido considerada por seus contemporâneos. como a início da restauração de Judá (23.5, 6).

Índice: Jeremias 1 Jeremias 2 Jeremias 3 Jeremias 4 Jeremias 5 Jeremias 6 Jeremias 7 Jeremias 8 Jeremias 9 Jeremias 10 Jeremias 11 Jeremias 12 Jeremias 13 Jeremias 14 Jeremias 15 Jeremias 16 Jeremias 17 Jeremias 18 Jeremias 19 Jeremias 20 Jeremias 21 Jeremias 22 Jeremias 23 Jeremias 24 Jeremias 25 Jeremias 26 Jeremias 27 Jeremias 28 Jeremias 29 Jeremias 30 Jeremias 31 Jeremias 32 Jeremias 33 Jeremias 34 Jeremias 35 Jeremias 36 Jeremias 37 Jeremias 38 Jeremias 39 Jeremias 40 Jeremias 41 Jeremias 42 Jeremias 43 Jeremias 44 Jeremias 45 Jeremias 46 Jeremias 47 Jeremias 48 Jeremias 49 Jeremias 50 Jeremias 51 Jeremias 52